Para Empresas

Conheça nosso serviço para sua

Empresa

A prática de Outplacement é necessária quando há mudanças na estrutura organizacional de grandes companhias, seja por conta de fusão com outra empresa, ou por causa de aquisições que demandam ajustes no quadro de colaboradores. Esta atividade também é importante durante a implementação de novas tecnologias, na mudança de endereço para outras cidades, estados e até países.

A empresa que contrata este programa de transição de carreira demonstra responsabilidade social e mostra sensibilidade para com seus colaboradores nos momentos que exigem demissão. O Outplacement oferece soluções efetivas para que o executivo busque outras oportunidades de forma organizada, com foco e dispendendo menor tempo na procura de recolocação.

O exercício do Outplacement é complexo e contempla inúmeros aspectos: a decisão, o planejamento, a comunicação, a recompensa, o apoio, recomendações, contratação, benefícios esperados e cuidados necessários. O ponto de partida da atividade de Outplacement é uma demissão e a porta de chegada é a recolocação/redefinição profissional dirigida a emprego ou negócio por conta própria. Outra contribuição desta atividade é expor o profissional ao mercado de trabalho e disponibilizar seu currículo para headhunters, RHs e outros empregadores.

 

Quais as vantagens e como o Outplacement ajuda empresas e executivos durante a transição de carreira?

 

Para a empresa:

• Facilita a comunicação da demissão;
• Melhora o clima organizacional;
• Explicita e divulga boas práticas de gestão de pessoas;
• Promove a “boa lembrança” e favorece ao demitido recomendar e valorizar a empresa;
• Diminui, para os profissionais que permanecem, o sentimento de injustiça e o medo de novas demissões;
• Melhora o entrosamento e a confiança entre equipes e lideranças;
• Reduz os riscos de reclamações trabalhistas, retaliação e situação constrangedoras;
• Conquista o reconhecimento do colaborador que está sendo desligado;
• Possibilita o exercício da responsabilidade social corporativa;

• Permite ganhar pontos nas premiações de melhor empresa para se trabalhar.

 

Para o executivo:

• Permite preparar o projeto de curto, médio e longo prazo, seja ele em outra empresa, área ou mercado, negócio próprio

consultoria, carreira acadêmica, atuação por job, projeto, ou trabalho no terceiro setor;
• Proporciona metodologia, tecnologia, informação e serviços que auxiliam no desenvolvimento do projeto de carreira escolhido;
• Quando realizado em empresa reconhecida, endossa a confiança da empresa no trabalho do executivo, o que contribui para a obtenção de um novo trabalho;
• Contribui para melhor identificação do novo projeto de carreira, exposição ao mercado e prospecção de oportunidades;
• Proporciona uma “parada estratégica” para definir a nova etapa;
• Favorece o desenvolvimento do autoconhecimento;
• Aprimora a competência para gerenciar a própria vida e carreira;
• Permite o alinhamento da nova atividade com os planos de vida e carreira;
• Promove o desenvolvimento da empregabilidade;
• Prepara o profissional para transitar no mercado com desembaraço e assertividade;
• Desenvolve as habilidades para fazer marketing pessoal e vender seu serviço;
• Dá tom positivo ao período de transição de carreira, isto é, de ser um trabalho temporário para estruturar novos projetos;
• Amplia as possibilidades de contato com o mercado de trabalho;
• Colabora na apresentação às empresas headhunters.

 

Ainda são poucas as empresas que se atentam aos impactos que a demissão causa na vida das pessoas, no clima organizacional e na sociedade. Algumas corporações, no entanto, têm recorrido ao método da demissão humanizada, para apoiar o ex-colaborador para diminuir o impacto do desemprego, que pode provocar insegurança, abalar as finanças, a autoestima e muitas vezes afetar a família. O exercício desta responsabilidade social é reconhecido e valorizado pelo mercado.

Boas práticas de gestão de pessoas incluem tratar bem os profissionais que são desligados por necessidade da empresa. Uma demissão deve ser feita com cuidado e respeito, pois o mal jeito pode trazer inúmeras consequências para quem demite e para quem é demitido. A correta comunicação do desligamento e os cuidados com os procedimentos pós-demissão são de responsabilidade do chefe imediato e dos profissionais de Recursos Humanos.

Para que os princípios da demissão humanizada sejam compreendidos e praticados, as escolas e os profissionais de RH devem preparar seus líderes para esta tarefa, que não é nada agradável.

Um dos lemas norteadores da demissão humanizadas, seguido pela Employability é: “tratar gente como gente, isto é, como a gente gostaria de ser tratado”.

Os 10 princípios para uma demissão humanizada são:

1 – a demissão deve ser um recurso extremo;
2 – a decisão de demitir deve ser colegiada, envolvendo o chefe, o chefe do chefe e o RH;
3 – a demissão deve ser tratada individualmente;
4 – o motivo da demissão deve ser comunicado e esclarecido;
5 – a demissão deve ser feita em local reservado;
6 – o demitido deve ter chance de falar e perguntar;
7 – o demitido deve ser tratado com respeito;
8 – o demitido deve ser reconhecido e recompensado (quando possível);
9 – o demitido deve ser ajudado na busca de um novo trabalho;
10 – os não demitidos devem ser cuidados e tranquilizados.

Direcionamento de carreira

Currículo Profissional

Linkedin para Networking

Divulgação Currícular Segmentada

Coaching de entrevistas e Negociação salarial

Gestão de Crises

Carta e Vídeo Apresentação